Notícias de União e Região

Presidente Bolsonaro desautoriza minuta que considerava o aborto serviço essencial

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, usou o Twitter nesta quarta-feira, 3, para desmentir uma suposta publicação do Ministério da Saúde no início desta semana que considerava o aborto legal um serviço essencial e ininterrupto do sistema de saúde durante a pandemia. A postagem de Bolsonaro afirmava que a nota é “apócrifa” e que o Ministério de Saúde brasileiro segue fielmente a legislação e não apoia qualquer proposta que vise a legalização do aborto, reiterando sua postura contrária a esta prática.

PRO-VIDA: Bolsonaro não aceita aborto como serviço essencial na rede pública de saúde

O texto em questão é a Minuta de Portaria da Norma Técnica nº 16/2020, que declarou que o serviço de aborto nos “casos previstos em Lei” na rede pública de saúde deve ser considerado parte dos “serviços essenciais e ininterruptos” durante a pandemia Covid-19, publicada em redes sociais sem a assinatura do Ministro da Saúde, General Eduardo Pazuello.

O próprio ministro Pazuello afirmou que a norma não foi sequer apreciada pelo seu gabinete e está buscando identificar a autoria da minuta.

“O MS (Ministério da Saúde) segue fielmente a legislação brasileira, bem como não apóia qualquer proposta que vise a legalização do aborto, caso que está afeto ao Congresso. Como já declarado em inúmeras oportunidades, o presidente Jair Bolsonaro é contrário a essa prática”, afirma o Ministro Pazuello em texto que foi replicado também pelo presidente Bolsonaro em sua conta de twitter.

A Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família demonstrou indignação com a publicação da Nota Técnica. Os parlamentares deste agrupamento alertaram também para a influência da Organização Panamericana de Saúde, citada na suposta nota do MS e a ausência da assinatura do ministro da Saúde. A nota foi emitida pela Secretaria de Atenção Primária e as áreas subordinadas: Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Coordenação-Geral de Ciclos de Vida e Coordenação de Saúde das Mulheres.

“Preocupa-nos muitíssimo que essa Norma Técnica, que poderia representar apenas a visão de uma coordenação, pretende assumir responsabilidades de Ministro de Estado, e tenha sido publicada sem a assinatura do Ministro da Saúde, da Secretaria-Executiva deste Ministério, do Secretário de Atenção Primária à Saúde, ou mesmo do Diretor Titular do Departamento de Ações Programáticas Estratégicas”.

A Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família “mostra veemente insatisfação com esta nota técnica e espera por sua anulação. Assim as famílias brasileiras poderão manter o foco e seguirem firmes na luta contra o Covid-19 e as suas conseqüências”, finalizou.

Em resposta enviada a ACI Digital, a Secretaria de Atenção Primária à Saúde (SAPS), do Ministério da Saúde, informa que “o documento indevidamente veiculado em mídias sociais e meios de comunicação social, referente à minuta da Nota Técnica nº16/20, elaborada pela Coordenação de Saúde da Mulher (COSMU/SAPS), não foi demandada nem apreciada por esta Secretaria de Atenção Primária à Saúde”.

“Desta forma, a referida minuta não possui legitimidade desta Secretaria e o assunto em comento não foi discutido no âmbito do Ministério da Saúde”.

A secretaria confirmou também que ‘medidas administrativas foram adotadas para identificar a falha processual e os responsáveis pela elaboração e divulgação não autorizada da referida minuta”.

FONTE: ACIDIGITAL – Por: Cláudia Brito de Albuquerque e Sá

 

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: