Notícias de União e Região

O Cemitério Público

 

Imagens feitas em maio de 2017

Eu sou o cemitério – o campo santo,

E trago em meu recinto affetos raros;

Os despojos mortaes dos entes caros

Repousam por aqui.

 

Carinhos eu mereço e, no entanto,

(É preciso dize-lo em termos claros)

Os mandões desta terra, homens avaros,

Lançaram-me do olvido o negro manto!

 

Campo nobres conservo no meio seio,

Mas sarça e carrapicho de permeio

O aspecto me dão de capoeira!

O muro que em redor me guarnecia

Desabou, de maneira que hoje em dia

Sou cercado de talos de palmeira!

 

Poema de autoria de José Elisiário, Pseudonimo de Fenelon Castello Branco,, publicado em 1916 na revista “União por dentro”. Infelizmente Fenelon profetizou este cenário, porque mais de 100 anos depois  a situação continua a mesma. Atenção PMU …vamos cuidar melhor da última morada

 

frei Cegonha

Comentários estão fechados.

%d blogueiros gostam disto: