Notícias de União e Região

O dia do “Auto de Adesão” de União

A Proclamação da República em União 15 de Novembro de 1889. Proclamação da República no Rio de Janeiro e suas consequências em União. O Brasil, até então uma monarquia, fora substituída pela República. Mudanças ocorreram na estrutura política do país, embora em sua conjuntura socioeconômica pouca coisa tenha mudado. O ato praticado pelo marechal Deodoro da Fonseca, "amigo da onça " do imperador D. Pedro II, foi repetido no restante do país, embora de maneira bem distinta. Logo apos a proclamação, outras adesões foram feitas ao regime publicano. A então Villa da União também fez sua adesão. Na tarde do dia 24 de novembro, na Câmara Municipal (lembrando que ela não funcionava na atual sede), foram convocadas através de edital as pessoas mais importantes do município. Autoridades políticas, religiosas, e a elite econômica uniense, fizeram-se presentes. O acontecimento ficou conhecido como "Auto de adesão dos habitantes da Vila da União à República Brasileira", e reuniu pessoas como Benedito Rego, Barão de Gurguéia, Arthur Napoleão do Rego, Antonio Dioclecio, major Santana, Sesostres Correia, Augusto Daniel, Francisco Barbosa Ferreira, e o vigário da Paróquia Pe. Álvaro José de Lima, além de outras pessoas. Um abaixo assinado, com mais de 80 assinaturas foi coletado entre os presentes. Em 28 de dezembro veio o reconhecimento e a elevação oficial da Vila em categoria de cidade. Com o advento da República ocorreram muitas mudanças em União. A primeira delas impactou na relação entre a igreja e o Estado, agora, oficialmente separados. O pároco Álvaro José de Lima, então presente no dia do Auto de Adesão, e apoiador da República, voltou-se contra ela. Logo com os murmúrios da separação entre as duas entidades, o padre começou uma série de críticas e difamações contra os republicanos na igreja matriz. A campanha contra o governo que acabara de se instalar, o levou a capitanear fiéis durante as celebrações, a fim de ingressa-los em um partido Católico. Apesar de sua sacristia "sempre está repleta de fieis", como ele próprio dizia, não foi possível criar o partido. O Partido Democrata foi a nova casa do vigário, que logo se adaptou aos arranjos políticos da república. Com a constituição de 1891, novos partidos foram criados. Com a filiação ao PD, ele passou para o lado de antigos adversários, como os conservadores Clemente de Sousa Fortes, e Benedito Rego. Antigas alianças foram desfeitas, e novas foram celebradas. Em 1892 foi criado o Partido Republicano Legalista, que pela primeira vez dividiu a tradicional família "Rego" do município. Enquanto os Regos permaneceram no PD, os "Rego Monteiro" ingressaram no PRL, ao lado dos "Lobões". A partir de entao, União passou a viver uma nova fase. Os sinais do progresso vieram pouco tempo depois. Em 1892, foram inauguradas a ligação telegráfica de União com a capital, e uma rampa de atracação para os vapores, no antigo porto. o frei Cegonha...

Pe. Álvaro José de Lima

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: