Notícias de União e Região

Prefeito quebra acordo e não dá reajuste aos servidores

Reunião do acordo que foi querado
Mesa de Negociação, Prefeitura, Sindicato, PREVI, Secretaria de Educação e corpo Jurídico da Prefeitura

[instanow name= imo3aser info_pos= top info_layout= 1 shape= square size= 70 logo= 1 style= default media= 20 link= file layout= grid columns= 1 lm_num= 6 ]

Os servidores públicos municipais de União, estão de acordo com o Sindicado da categoria, há mais de cinco anos sem reajuste salarial. O SSPU vem tentando sem sucesso, junto ao gestor atual conseguir reajuste para os servidores dos setores administrativos e saúde, mas até o momento, o reajuste só foi concedido para os professores. Já houveram várias rodadas de negociações entre Sindicato e prefeitura, onde inclusive, foi registrado em ata, o compromisso do prefeito de que mandaria para a Câmara Municipal, durante o mês de fevereiro, as duas tabelas de reajustes que contemplariam todos os servidores do município.

Na data marcada, para o projeto ser enviado à Câmara, o prefeito mandou somente o proposta de reajuste dos professores (o reajuste nacional do FUNDE), deixando as demais categorias sem reajuste, ou seja, quebrando o acordo registrado em ata. Para justificar o não reajuste aos servidores, o prefeito adotou o discurso da falta de recursos, mas no entanto, está promovendo nomeações de cargos de confiança (contratos sem concurso), com salários que variam de R$ 1.200,00 a R$ 4.500,00 (já são mais de 200 nomeações sem concurso, impactando as receitas do município em cerca de R$ 300.000,00 mensais). Se não tem recursos para garantir o reajuste dos servidores efetivos, mas esta sobrando dinheiro para a contratação por indicação.

Em solidariedade aos demais servidores, o Sindicato junto à Câmara retardaram a votação do reajuste do magistério, mas na noite desta quinta feira, 15 de março, finalmente o reajuste foi votado e aprovado, mas somente para o magistério; as demais categorias continuam com seus salários defasados e sem perspectivas de reajustes.

 

Comentários estão fechados.