Notícias de União e Região

Siameses recém-separados se olham pela 1ª vez

Os irmãos gêmeos siameses Jadon e Anias McDonald, compartilharam durante 1 ano uma área de 5 x 7 centímetros do tecido cerebral. Mas, apesar de toda a proximidade, eles nunca tinham sido capazes de se olhar. Um mês após a cirurgia de separação, eles finalmente se viram pela primeira vez e a imagem desse momento divulgada pelos pais dos bebês no Facebook mobilizou a internet.

Jadon e Anias nasceram de cesariana em setembro do ano passado com uma condição conhecida como gêmeos craniopagus – são unidos pela cabeça. O problema é considerado raríssimo e acontece uma vez em cada 2,5 milhões de nascimentos. Ainda de acordo com as estatísticas, é impressionante que os irmãos tenham vivido grudados até os 13 meses de idade. Estima-se que cerca de 40% dos gêmeos com essa condição são natimortos. Daqueles que sobrevivem, um terço morre dentro de 24 horas após o nascimento. Caso sobrevivam além desse período, há 80% de risco de morte caso não sejam separados até os 2 anos de idade.

Por isso, embora Nicole e Christian McDonald,  pais das criança, considerassem os filhos perfeitos daquela maneira, eles decidiram tentar a cirurgia para dar-lhes a chance de uma vida normal. Foi então que eles decidiram ir para Nova York – a família mora perto de Chicago -, onde está localizado o Hospital Montefiore, que tem em sua equipe um dos mais renomados profissionais do mundo para a realização desse procedimento.

A cirurgia foi realizada no dia 14 de outubro, durou 27 horas e custou 2,5 milhões de dólares. Apesar do procedimento ser praticamente a única alternativa para os bebês, havia risco de morte durante o procedimento ou de danos cerebrais. Felizmente, a operação foi bem-sucedido e os meninos se recuperam impressionantemente bem, embora Anias ainda apresente alguns problemas de respiração e convulsões. Mas, segundo os médicos, ele já apresentava estes e outros problemas antes da separação.

Em breve os gêmeos deverão ser transferidos juntos para um centro de recuperação.

Deixe uma resposta