Notícias de União e Região

Greve na rede estadual de educação tem forte adesão dos professores na cidade de União

A greve geral na rede estadual de ensino, tem forte adesão em União. Na unidade escolar, Marcos Parente, dos 17 efetivos, 14 aderiram ao movimento grevista; na unidade escolar, Maria Simplícia, 07 dos 09 efetivos também aderiram ao movimento; na unidade escolar Dr Ezequias Costa, em Novo Nilo, 04 dos 06 efetivos também estão de greve. Nas demais escolas da rede estadual em União, também existe adesão ao movimento grevista.

UNIDADE ESCOLAR MURILO BRAGA – PROFESSORES EN GREVE
COLÉGIO IRMÃ MARIA SIMPLÍCO – PROFESSORES EM GREVE

Apesar da grande adesão dos efetivos, ao movimento grevista, as escolas da rede estadual não pararam suas atividades, pois o governo do estado tem um grande contingente de celetistas. Para o estado, é um grande negócio manter profissionais celetistas nas escolas; custa bem menos, não podem grevar e geralmente passam 3 meses sem receber pagamentos. Inicialmente, o objetivo das contratações de celetistas, era o suprimento de vagas temporárias, quando o professor efetivo tira férias ou licença. Mas na prática não é assim que funciona. Existem professores que já tem mais de 08 anos de serviços prestado como celetista e sempre na mesma escola.

A greve geral da educação estadual foi motivada em razão da falta de reajuste aos profissionais do magistério estadual. O piso nacional da categoria foi reajustado em 12,84%, mas o governo do estado se nega a repassar o reajuste à categoria. Os problemas relativos à educação estadual não se restringem apenas à falta de reajustes salariais dos servidores ativos e inativos. O movimento grevista também reivindica a realização de concurso público para o preenchimento das vagas existentes.

UNIDADE ESCOLAR MARCOS PARENTE
UNIDADE ESCOLAR BENEDITO MOURA

As aulas tiveram início em 10 de fevereiro, mas até agora não tem transporte para os alunos, não tem merenda escolar e falta até livro didático. O movimento grevista também reivindica melhorias nas condições de trabalho dos professores, bem como nas próprias instalações físcias das escolas, pois a maior parte das escolas estão sucateadas, inclusive algumas sendo desativadas ou abandonadas, como por exemplo, o antigo supletivo – foi fechado e Fenelon Castelo Branco (foi fechado para reforma, mas a obra foi abandonada)!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: